Primeiramente, lixiviação é quando uma substância é extraída de um meio sólido através de sua dissolução em um meio líquido. Na Engenharia Civil esse processo ocorre no concreto e é uma patologia bastante comum em edificações. É causada através do contato da estrutura de concreto com a água, que acontece basicamente através de infiltrações.

Lixiviação em viga de concreto

Como ocorre o processo de lixiviação em estruturas de concreto?

Segundo o Engenheiro Civil Patologista Fabrício Pereira Depizzol: “Logo quando o concreto é hidratado um composto chamado hidróxido de cálcio é formado. Quando existem infiltrações nas peças de concreto, esse composto é dissolvido e levado para a superfície do concreto”. Pode-se observar a descrição de tal fenômeno na foto acima.

E como essa manifestação patológica prejudica a estrutura? Quando a lixiviação ocorre em pequenas quantidades somente a estética da estrutura é prejudicada. Entretanto, quando o processo de lixiviação começa a progredir, removendo demasiadamente os sólidos do concreto, a preocupação já é maior. Com mais espaços vazios na estrutura, a mesma fica submetida à ação de agentes nocivos auxiliando no processo de carbonatação do concreto e abrindo espaço para os ataques de cloreto presentes na atmosfera, resultando numa corrosão das armaduras. Além de que uma quantidade maior de espaços vazios influi diretamente na resistência mecânica do material.

Ainda, segundo o Engenheiro Fabrício: “ O líquido contendo os materiais dissolvidos percorre os estalactites formados através da lixiviação e pingam sobre os carros estacionados nas garagens das edificações. Esse líquido possui um pH muito elevado e as pinturas dos automóveis são mais ácidas, possuindo um pH mais baixo. Sabe-se que quando um ácido se combina com uma base, há a formação de sais e esses acabam corroendo a pintura do veículo, gerando prejuízos para os proprietários dos mesmos”.

Outro ponto ressaltado por Fabrício é em questão as eflorescências nas fachadas das edificações: “ Quando a lixiviação ocorre em superfícies que possuem cerâmicas, que em sua maioria das vezes compõem as fachadas das edificações, existe a formação de grandes manchas esbranquiçadas que são chamadas de eflorescências. Essas manchas são removidas com ácido muiriático, no entanto, o aparecimento dessas manchas indicam que houve uma infiltração que carregou os sais da argamassa para a superfície, resultando em tal patologia”.

Existem algumas maneiras de se prevenir esse fenômeno, mas a principal é na preparação do concreto e na qualidade do mesmo. Uma diminuição da água na relação água/cimento e um bom adensamento aumentam a impermeabilização do concreto, diminuindo as possibilidades de ocorrência da lixiviação nesse tipo de peças.

E como realizar o tratamento de tal manifestação patológica? Quando a lixiviação está em seu estado inicial, basta realizar a remoção do carbonato de cálcio que ficou na superfície da estrutura, e realizar uma avaliação da peça para ver se não há algum comprometimento estrutural.

Exija sempre profissionais de qualidade para a realizar a avaliação e o tratamento de sua edificação!

Autor: Matheus Abreu Kerkoff

Share This
WhatsApp chat